Faculdade Paulista de Pesquisa e Ensino Superior - 0800 730 7766

Há quem não acredite nas promessas de “ganhar dinheiro sem sair de casa” e acha que são só um sonho inalcançável. Mas o mundo mudou muito nas últimas três décadas, e um caminho que pode fazer essa promessa virar realidade é o empreendedorismo digital.

Se você ainda não sabe muito bem o que é isso, mas ficou curioso para descobrir, está no lugar certo! Este post conta tudo sobre o assunto e ainda dá dicas de como começar.

Quer saber mais? Continue a leitura!

O que é empreendedorismo digital?

Quando falamos em empreendedorismo digital, estamos nos referindo à criação e ao desenvolvimento de um modelo de negócios que opere digitalmente e tenha a internet como base de atuação. Uma loja online, ou um canal de podcasts, por exemplo.

A internet foi o grande driver de mudanças sociais dos últimos 30 anos. Com a chegada dela, nós transformamos nossa forma de aprender, comprar, consumir informação, nos divertir, nos relacionar — basicamente, nada ficou igual. E, nesse bonde, também embarcaram os modelos de negócios.

Sites, plataformas, blogs, canais de distribuição de conteúdo audiovisual agora funcionam como os novos escritórios, as salas de reunião, lojas e outros ambientes do mundo corporativo.

Por que ser um empreendedor digital?

Empreender é uma jornada desafiadora e cheia de obstáculos a serem superados. Quando o negócio é digital, isso não é diferente. No entanto, esse tipo de empreendimento apresenta algumas características que o torna, muitas vezes, mais vantajoso do que outros tipos de negócios. Veja alguns pontos muito positivos desse segmento:

Mercado em crescimento

De acordo com a mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui aproximadamente 100 milhões de usuários de internet.

Já uma outra pesquisa, feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), junto com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), mostrou que 89% das pessoas conectadas à rede realizaram pelo menos uma compra online em 2017. Somente 4% dos entrevistados nunca haviam realizado uma compra que não fosse presencial.

O consumo de informações online também vem aumentando, bem como o uso de plataformas de streaming para o acesso a conteúdos de áudio e vídeo — como séries e filmes. Além disso, a educação a distância (EAD), que já começa a dar seus passos mais seguros, tem sido vista como uma tendência para a educação nos próximos anos.

Ou seja, todos esses dados levam a uma única conclusão: quer você deseje investir em uma loja online, uma plataforma de cursos, ser um digital influencer ou qualquer outra das possibilidades de negócios que a internet oferece, este é um bom momento.

Investimentos mais baixos

Quando você vai iniciar um negócio convencional, que opera offline, a lista de investimentos iniciais é enorme. Você precisa ter dinheiro para pagar o aluguel do espaço, uma eventual reforma, instalação de móveis, compra de equipamentos, formação de estoque (caso vá trabalhar com produtos), funcionários, impostos e boletos — tudo, vale lembrar, sem ter vendido um produto ou ter conquistado um cliente!

Já se o negócio é online, tudo que você vai precisar é de energia elétrica e um computador com acesso à internet. Em alguns casos, será necessário contratar um serviço de hospedagem de site, registro de domínio e, talvez, contratar um profissional para deixar seu ambiente digital como manda o figurino. Todos esses custos, porém, são muito mais baixos do que aqueles que citamos anteriormente.

Flexibilidade

Você certamente já ouviu a tão falada promessa de “trabalhar sem sair de casa”. Pois, com os negócios digitais, isso é totalmente possível. Como você não precisa de mais do que um computador com acesso à internet para fazer suas tarefas do dia a dia, você pode trabalhar, confortavelmente, da sua sala de casa. Ou de um café, um co-working, ou, basicamente, de qualquer lugar que você quiser e tenha conexão à rede.

Outra vantagem dessa flexibilidade de espaço que os negócios digitais proporcionam é um calendário mais maleável. Viu uma superpromoção de passagem para um lugar que sempre quis conhecer? Fácil: pegue seu “escritório” de 13 polegadas, coloque na mala e vá!

Os empreendimentos digitais, muitas vezes, também proporcionam maior poder sobre a gestão do seu tempo. Você escolhe em quais horários deseja trabalhar, em quais dias da semana, quantas horas terá seu expediente. Quer trabalhar somente de segunda a quinta? Sem problemas, basta organizar-se para cumprir suas metas nesses quatro dias.

Possibilidade de operar internacionalmente

A internet não tem fronteiras. E, atualmente, com plataformas como PayPal e Transferwise, é possível receber dinheiro no exterior e transferir para sua conta no país onde você estiver morando.

Digamos que você decida montar uma plataforma de oferta de cursos online. Mesmo se você morar no Brasil, pode captar clientes em Portugal, Angola, ou qualquer outro país onde haja pessoas que falem português. Tudo que você precisa fazer é oferecer métodos de pagamento internacionais, como cartão de crédito. Se você disponibilizar seu material em inglês, ainda conseguirá potencializar ainda mais seu produto.

Como ser um empreendedor digital?

Existem diversas possibilidades de trabalho se você quiser ser um empreendedor digital. Você pode oferecer aulas pelo Skype, construir uma carreira como digital influencer, abrir uma startup, oferecer conteúdos por meio de um blog, prestar serviços de tradução ou revisão de textos, e muitas outras.

Portanto, o primeiro passo de como montar um negócio digital é estabelecer o seu nicho de mercado. Se você ainda não tem muita noção do tipo de serviço ou produto que poderia oferecer, algumas ferramentas podem ajudar as ideias a surgir.

Assistir a filmes que ensinam lições de empreendedorismo, como os da Pixar, pode ser uma ótima fonte de inspiração. Você pode também fazer um brainstorm, principalmente se pretender ter mais pessoas com você na criação do negócio.

Analise bem as suas habilidades, suas capacidades e qualificações e veja o que você gostaria de fazer. Defina seu público, faça um recorte dentro dos serviços e produtos que pode oferecer e tenha um negócio especializado.

Por exemplo, em vez de montar uma loja genérica de roupas — que enfrentaria a difícil concorrência de gigantes como Dafiti e Privalia —, você pode montar uma loja de biquínis plus size. Essa é uma forma de atender a um público que possui uma necessidade real e encontra pouca oferta no mercado convencional.

Feito isso, analise também o contexto e veja se você realmente possui perfil para esse tipo de empreitada.

Perfil do empreendedor digital no Brasil

O empreendedorismo digital já é um ramo de negócios consolidado, apesar de relativamente novo. Portanto, já existem informações suficientes para tirar algumas conclusões sobre o perfil desse empreendedor. O Sebrae tem publicada uma cartilha sobre o assunto.

Segundo a publicação, o empreendedor digital brasileiro:

  • tem a sede de seu negócio em São Paulo (34%), Rio de Janeiro (21%), Rio Grande do Sul (14%) e Minas Gerais (12%);

  • tem idade média de 26 anos;

  • possui ensino superior completo;

  • tem renda mensal média de R$ 4.600,00;

  • está no mercado há mais de dois anos;

  • investe principalmente nos setores de serviços (62%) e comércio (33%);

  • já começa a empreender no meio digital, pois somente 18% tem experiência com negócios no meio físico.

A pesquisa usada de base para a cartilha também constatou que a maior parte (67%) dos empreendedores digitais no Brasil são homens. Mas as mulheres não devem encarar esse dado como um obstáculo. Ao contrário: é preciso ver que há muito espaço para crescer nesse mercado ainda!

Condições de trabalho

Se você é o tipo de pessoa que gosta de ter seu trabalho fixo, com horário para entrar e sair do escritório, salário certo no fim do mês e FGTS sendo coletado a cada salário recebido, abrir um negócio digital pode não ser a melhor opção profissional.

Empreender é uma jornada de muitas incertezas, dedicação e horários de trabalho que podem ultrapassar muito as oito horas diárias das empresas convencionais. E essa é uma realidade que independe do meio onde seu negócio atua, se digital ou físico.

Mas também tem suas recompensas. Empreendedores digitais costumam ser pessoas com um alto poder criativo que desejam aplicar essa criatividade no trabalho. Os empreendimentos digitais permitem isso, já que, mais do que apresentar um produto inovador, esse setor também é muito formado por empresas que oferecem uma forma mais moderna de atender a uma necessidade.

Outro ponto positivo que essa atividade oferece são dinâmicas menos complicadas. Enquanto, nas empresas tradicionais, você precisará lidar com processos longos, burocráticos e demorados, os novos modelos de negócios são planejados para ser descomplicados.

Os organogramas das empresas são mais horizontais, de forma a estimular o contato entre as pessoas. Isso facilita a tomada de decisões, dinamiza o processo de mudanças e faz com que a empresa esteja em transformação o tempo todo — um ambiente muito estimulante para quem não tem medo de se adaptar ao novo ou de promovê-lo.

Tudo isso sem contar com a flexibilidade de tempo e de escolher seu local de trabalho, que já tratamos neste artigo.

Os produtos com os quais você pode trabalhar

As possibilidades de negócio dentro dos empreendimentos digitais são praticamente infinitas. Para quem ainda não tem uma ideia de como quer atuar, isso pode até ser um ponto negativo, pois os caminhos são tantos, que a pessoa fica sem saber para onde seguir.

Para ajudá-lo a pensar sobre qual trilha pegar, colocar a cabeça para funcionar e ter ideias de negócios possíveis, vamos listar alguns exemplos de produtos que você pode trabalhar como empreendedor digital:

Infoproduto

Se você ainda não sabe o que esse termo significa, explicamos: um infoproduto é um bem intangível que pode ser usado ou visualizado na tela do seu computador, tablet ou celular. Assim, e-books, cursos, webinars, podcasts e softwares são alguns exemplos.

Pela pluralidade de tipos e pela pulverização de sites que comercializam infoprodutos, é difícil elaborar um levantamento desse mercado. Mas o que se nota é um crescimento nas vendas dos infoprodutos, mesmo no contexto de crise que o Brasil viveu em 2016 e 2017.

De acordo com o relatório Global e-book 2017: a report on market trends and development, os e-books correspondem a 3,16% de todo o mercado de livros no Brasil. No ano anterior, essa fatia era de 2,57%, o que mostra que o setor vem crescendo.

Startup

Algumas das maiores empresas de hoje em dia começaram como startups. AirBnB, Uber, Dropbox, Pinterest e tantas outras nasceram pequenininhas, da ideia que alguém teve de propor uma outra solução para uma necessidade que era comum a um grande grupo de pessoas.

Essas gigantes que surgiram no computador de uma única pessoa são situações tão excepcionais que são chamadas de “unicórnios” no mundo dos negócios. Ter uma ideia que leve sua empresa a valer 10 bilhões de dólares não é algo que aconteça todos os dias.

Mas o mundo está cheio de necessidades que ainda precisam de soluções melhores e de coisas que podem ser feitas de uma forma mais dinâmica e coerente com a sociedade de hoje. Encontrar esses caminhos é a chave para fazer crescer uma startup.

Digital influencer

Canais do YouTube têm se mostrado um negócio muito lucrativo. O funcionamento é relativamente simples: assim como na TV convencional, o digital influencer constrói uma audiência de acordo com os assuntos de que costuma tratar. Depois, vende o espaço de exposição àquelas pessoas a empresas interessadas em publicidade por meio dos anúncios da plataforma.

Aplicativo

As pessoas que habitam a segunda década do século XXI desejam a conexão — e também a convergência. Queremos encontrar a solução para tudo ali dentro daquele aparelhinho com tela de aproximadamente seis polegadas — o smartphone.

É aí que entram os aplicativos, que ajudam você a cumprir as mais diversas tarefas, de pedir um delivery para o almoço a lembrar-se de beber a quantidade suficiente de água.

Da mesma forma que as startups, os apps também são uma forma de solucionar necessidades básicas das pessoas ou de otimizar um hábito. O Trello, por exemplo, é um ótimo substituto da agenda para muita gente. E, se o produto é uma boa resposta para a dor do cliente, as chances de ele ser bem-sucedido no mercado são enormes!

Quais ferramentas são essenciais para quem quer embarcar nessa jornada?

Se você está pensando seriamente em começar seu negócio digital, precisará dominar algumas ferramentas que vão facilitar e viabilizar sua atuação nesse mercado. Veja algumas delas:

Google Adwords

Pense bem: se o seu negócio é digital, seus clientes certamente estarão na internet, correto? Assim, nada mais lógico que você investir seus esforços e sua verba em publicidade no meio digital. O Google Adwords é o programa de anúncios do próprio Google. A ferramenta o ajuda a montar a sua estratégia, segmentar o público, escolher palavras-chave e decidir quanto investir em cada campanha.

Facebook e Instagram Ads

Depois que foi comprado pelo Facebook, em 2012, o Instagram também passou a ter um esquema de posts patrocinados. Como essas são as duas maiores redes sociais do mundo atual, é importante que seu negócio tenha uma presença forte.

Entenda e use linguagens apropriadas para cada uma delas, invista em boas imagens, traga posts que façam as pessoas desejarem interagir com o seu negócio. Faça a segmentação do seu público, defina uma verba mensal de anúncios e dê preferência para a estratégia CPC (você só paga pelo anúncio quando ele for clicado).

E-mail marketing

Redes sociais são um meio por onde você não pode deixar de transitar. O ponto negativo é que, por conta dos algoritmos, você não tem controle da exibição do seu conteúdo para o público. Com os e-mails marketing, você tem total controle de quantas pessoas estão sendo expostas ao seu material e ainda podem interagir diretamente com você.

Web Analytics

Como em todo negócio, nos empreendimentos digitais também é importante fazer o monitoramento dos dados. Número de acessos por mês, de onde eles vêm, quantos estão tendo contato com o seu espaço pela primeira vez, informações sociodemográficas do seu público.

Todos esses são dados fundamentais, tanto para o desenvolvimento de produtos e serviços, como para fechar contratos com parceiros. Eles podem ser conseguidos por meio do Google Analytics, que é uma boa ferramenta, de fácil utilização e gratuita.

É possível formalizar uma empresa digital?

Muitos jovens já começam a se preocupar com o futuro e pensam em como será sua aposentadoria, se poderão contar com os serviços de saúde pública e ter outros direitos garantidos aos trabalhadores regulares. Além disso, é importante prestar contas dos ganhos à Receita Federal para estar de acordo com a lei.

Um caminho para isso, se você for o único proprietário do seu negócio, é cadastrar-se como microempreendedor individual (MEI). Os profissionais dessa categoria têm uma contribuição fixa mensal e podem ter renda de até R$ 81 mil anuais. Além disso, os requisitos para esse modelo de formalização são:

  • ter uma atividade que conste da lista autorizada pelo MEI — entre todas as possibilidades oferecidas, você poderá ter uma atividade principal e outras 15 secundárias;

  • ter, no máximo, um funcionário, recebendo um salário mínimo ou o piso para sua categoria;

  • não ter participação como sócio ou titular em outra empresa;

  • não ter sócio;

  • não possuir uma filial de sua empresa MEI.

Conseguir um CNPJ como MEI é bem simples, e tudo pode ser feito pela internet, no Portal do Empreendedor, site do governo federal. Nesse mesmo portal, é possível encontrar informações sobre o modelo de formalização de atividade e esclarecer dúvidas.

Para uma assistência ainda mais personalizada, o Sebrae possui um serviço de atendimento para esclarecer dúvidas de microempreendedores. Basta procurar a unidade mais próxima de você e marcar uma consulta com os especialistas.

Há exemplos de empreendedores digitais de sucesso?

Os exemplos de empreendedores digitais existem e não são poucos! Em cerca de uma década que os negócios que têm a internet como base começaram a se estabelecer, alguns empresários já são considerados destaque, não só no segmento de empreendimentos digitais, mas no mundo dos negócios como um todo. Vamos citar alguns exemplos para inspirar você a seguir o mesmo caminho:

Julia Tolezano

Talvez você não saiba quem é Julia, mas, certamente, já ouviu falar em Jout Jout. Dona de um dos maiores canais de Youtube do Brasil, a jornalista começou despretensiosamente a gravar vídeos em 2012, para vencer o medo da rejeição das pessoas. Atualmente, ela já tem um livro publicado, seu canal tem mais de um milhão de pessoas inscritas, e ela é considerada uma das pessoas mais influentes do país.

Leonardo Marques

Ele tinha paixão por viajar. Foi a partir disso que o amazonense Leonardo Marques começou a “caçar” e divulgar promoções de passagens aéreas em seu blog, o Melhores Destinos. Hoje, mais de dez anos depois de ter dado início às atividades, seu portal é o maior site de passagens aéreas do Brasil.

Joe Gebbia, Brian Chesky e Nathan Blecharczyk

Era uma vez 3 estudantes universitários que não tinham dinheiro para pagar o aluguel. Então, eles tiveram a ideia de comprar três colchões de ar e oferecer hospedagem barata com café da manhã a profissionais que visitariam a cidade de San Francisco para uma convenção de design. Foi assim que surgiu a primeira sementinha do que hoje é o AirBnB, plataforma avaliada em mais de US$ 25 bilhões.

Ana Luiza McLaren e Tiê Lima

Depois de resolver que ia morar junto do namorado, Tiê, a publicitária Ana Luiza constatou que precisaria se desfazer de um monte de roupas para que o novo morador coubesse na casa. Ela montou um blog, o enjoei.com.br, para fazer suas vendas e incluiu os desapegos também das amigas. Logo o que era uma forma de liberar espaço virou o maior brechó virtual do país.

O empreendedorismo digital é um setor que chegou para ficar. A internet possibilita incontáveis novos modelos de negócio e a chance de apresentar soluções inovadoras para problemas antigos ou melhorar serviços que já eram oferecidos antes. Tudo que você vai precisar é uma boa dose de criatividade, determinação e um bom planejamento.

Se você já ficou muito animado para começar a pensar em sua carreira como empreendedor digital, por que não pesquisa também sobre marketing digital, para saber como dar visibilidade a seu negócio? Acesse nosso post sobre o assunto e saiba mais!

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×

Taxa de Inscrição Vestibular Futuro Executivo

R$25,00

O Programa Futuro Executivo da Fappes Blox foi feito para te transformar. Ele diz respeito a uma graduação em Administração com uma série de benefícios para mudar suas atitudes, comportamentos, suas visões empreendedoras e de mundo! Está pronto para transformar sua vida?

Fazendo o Programa Futuro Executivo você tem direito a um curso no Canadá, na McGill University durante um mês! Um curso de inglês e sessões de Coaching também entram na lista VIP das inúmeras vantagens do Programa. Nós da Fappes Blox acreditamos que a educação vai além de um diploma. E você?