O que é preciso saber antes de abrir uma startup?

By Comunicacão FAPPES 4 semanas ago

Quando falamos em negócios, já podemos considerar o empreendedorismo como palavra de ordem do século XXI. Afinal, com tanta informação disponível em vários meios, ficou muito fácil ter uma grande ideia na cabeça. O desafio, porém, é conseguir colocá-la em prática, não é mesmo? Nesse sentido, abrir uma startup pode ser uma alternativa.

Entretanto, para dar o pontapé inicial, é preciso estar muito atent@ às particularidades desse tipo de empresa, avaliando aspectos como sua validade no mercado, modelo de trabalho, perfil d@ cliente, captação de investimentos, entre outros critérios fundamentais. Até porque, para uma ideia ser boa de verdade, ela precisa dar bons resultados, concordam?

Pensando nisso, preparamos este post que é um verdadeiro guia de como abrir uma startup de sucesso, considerando não só as especificidades do negócio, mas, também, a formação profissional e o perfil do/a empreendedor/a. Acompanhe a leitura e start it up!

1. O que é uma startup?

Basicamente, o conceito de startup está relacionado a uma empresa embrionária — ou seja, nova ou em fase de constituição — embasada em projetos promissores, geralmente relacionados à pesquisa, tecnologia e desenvolvimento de ideias inovadoras.

Em termos econômicos, pode-se dizer que os modelos de startup configuram-se por aspectos como custos de manutenção mais baixos, contratos mais flexíveis, preservação da qualidade de vida no ambiente corporativo, entre outros, porém sempre com a premissa de crescimento rápido e geração de lucros cada vez maiores.

De forma mais prática, podemos dizer que o modelo típico de uma startup reúne especialistas e investidor@s de perfil empreendedor em busca de um padrão de negócios escalável, repetível e, principalmente, rentável.

Ou seja, é normal que o ciclo de vida de uma startup comece a partir de um modelo de negócio “de risco”, com base em ideias e suposições. Mas, a partir da definição de algumas estratégias específicas para o desenvolvimento da empresa e do/a empreendedor/a, os resultados começam a aparecer e a se multiplicar cada vez mais ao longo do tempo.

Contudo, de quais estratégias estamos falando? Como tirá-las do papel? Que aspectos considerar para abrir uma startup de sucesso? A resposta para essas perguntas é o que você vai encontrar nos tópicos a seguir. Ready?

2. Como criar uma startup de sucesso?

Listamos em seguida os 7 passos básicos para você desenvolver uma startup com segurança, qualidade e credibilidade, resguardando-se ao máximo dos eventuais riscos do percurso. Confira!

2.1. Invista em cursos de capacitação

A primeira coisa que você precisa saber antes de abrir uma startup é que formação profissional é importante sim! Está muit@ enganad@ quem pensa que, por conta do modelo alternativo desse tipo de empresa, a formação superior é dispensável. Pelo contrário, estar por dentro de todos os trâmites administrativos e gerenciais do negócio é a chave para desenvolver um empreendimento de sucesso.

Por isso, se você deseja se enveredar por esse caminho, mas ainda não fez aquele curso indispensável na área ou simplesmente deseja complementar a sua formação profissional, procure por instituições de ensino especializadas no ramo e encontre a capacitação que mais tem a ver com seu perfil e com o negócio que você deseja desenvolver.

Além disso, outras dicas importantes para manter a formação em dia é frequentar ao máximo os eventos corporativos do seu setor, conversar com gente do mesmo ramo, desenvolver seu networking com as pessoas mais experientes da área etc. Tudo isso ajuda muito a obter os melhores resultados em cada vez menos tempo!

2.2. Defina o local da empresa

Quando o assunto é abrir uma startup, logo pensamos em um moderno escritório corporativo sediado no centro de São Paulo, não é mesmo? Mas vá com calma! Saiba que o que vai definir o sucesso da sua empresa não é o local onde ela está sediada e, sim, se a geografia dessa localidade realmente contribui para o desenvolvimento do seu negócio.

Por isso, tanto faz se a localização da empresa é no interior ou nos grandes centros urbanos, desde que o modelo do negócio seja aplicável à região escolhida. Do mesmo modo, é preciso que a clientela esteja sempre acessível e que o local ofereça boa disponibilidade de recursos relativos à atividade que você pretende desenvolver.

Até porque, se considerarmos as várias startups que trabalham com mão de obra em modelo home-office e com a distribuição eficiente de produtos em negócios digitais, o local físico da empresa passa a ser a variável menos importante do percurso.

2.3. Estude o perfil dos clientes

Saber quem é seu/sua cliente e quais as reais necessidades del@ é fundamental na hora de abrir uma startup. Afinal, seja qual for o serviço oferecido, o resultado só será eficiente se estiver compatível com as expectativas do público.

Mais do que conhecer a fundo o perfil da clientela ideal, também é necessário alargar horizontes para enxergar outros nichos de potenciais clientes, que nem sempre estão assim tão acessíveis quanto você imagina.

Nesses casos, estude estratégias que possam aumentar o alcance da sua empresa, seja com ações promocionais, aplicação de questionários, divulgação publicitária ou quaisquer outras demandas da área de marketing.

Além disso, tenha sempre em mente o seguinte: quanto mais perto de você @ cliente estiver, mais curto será o caminho para fidelizá-l@. Como foi dito, é importante pensar nisso também quando for definir o endereço da sede da empresa.

2.4. Avalie a disponibilidade de recursos

Um bom caminho para avaliar essa questão é saber que muitos estados brasileiros oferecem grandes incentivos a projetos de negócios inovadores e promissores, como nas tradicionais capitais do Sudeste e também em estados como Pernambuco, Santa Catarina e o Distrito Federal. Em alguns lugares, as prefeituras proporcionam descontos consideráveis para determinadas atividades ou manufatura de produtos.

Existem ainda as agências fomentadoras que destinam verbas a regiões mais carentes, como o Nordeste do Brasil. Além do fomento público, há várias agências privadas que também podem se tornar potenciais parceiros investidores do seu negócio, desde que a atividade seja viável e rentável para ambas as partes.

2.5. Considere a oferta de mão de obra

Qualquer que seja a sua equipe de empreendedor@s — engenheir@s, psicólog@s, professor@s etc —, uma coisa é certa: você vai precisar estabelecer a sua startup onde ess@s profissionais estejam presentes em abundância.

Algumas cidades do interior de São Paulo, de Minas Gerais ou do Rio Grande do Sul, por exemplo, estão a apenas uma hora de distância da capital e possuem enorme oferta de profissionais qualificados no mercado. Mas lembre-se: quanto melhor a qualificação, melhores deverão ser os salários.

2.6. Pesquise a concorrência

É sempre bom ficar de olho no “inimig@”. Afinal, ao saber o que @s seus/suas concorrentes estão propondo, quais são as principais estratégias de mercado e preços praticados por el@s, você consegue ter uma visão muito mais clara sobre o que fazer para aperfeiçoar os serviços e produtos que a sua empresa oferece, assim como incrementar as ações de marketing do seu próprio negócio.

2.7. Aposte em qualidade de vida no trabalho

Trabalho não é sinônimo de tortura, viu? A proposta de uma startup de sucesso, inclusive, considera bastante os modelos mais flexíveis de produção, conforme a lógica de que, quanto mais qualidade de vida você tiver, melhor será sua produtividade.

Por isso, ao abrir uma startup é preciso estar atent@ a alguns cuidados básicos na hora de configurar o ambiente corporativo. Decorações criativas, salas de descanso, cozinhas bem-equipadas etc, tudo isso faz uma enorme diferença no bem-estar d@s seus/suas funcionári@s e, consequentemente, na produtividade del@s. Pode apostar!

3. O que vai determinar a sobrevivência da sua startup?

Agora que você já conheceu os requisitos básicos para abrir uma startup bem-sucedida, confira os principais critérios que farão com que sua empresa tenha vida longa no mercado.

3.1. Um bom planejamento

Planejamento é a palavra-chave em tudo o que envolve negócios e empreendedorismo, ainda mais se levarmos em conta a carga de eventuais riscos que os projetos inovadores das startups trazem consigo.

E é justamente aí que está o segredo: quanto melhor você planejar o negócio, menores serão as chances de sofrer com os riscos mais comuns do mercado, como altos custos de manutenção, perda para a concorrência e a temida falência.

Por isso, muito antes de pensar em tirar sua ideia do papel, é importante ter certeza de que ela é, de fato, original e inovadora, de modo a captar o maior número de clientes possível.

Para isso, estude o mercado especializado, procure referências, ouça opiniões e, principalmente, esteja devidamente capacitad@. Investir em cursos que aperfeiçoem suas habilidades administrativas e gerenciais é sempre a maneira mais inteligente de garantir a sobrevivência da sua empresa.

Além disso, tome muito cuidado para não agir por impulso. Para todo e qualquer negócio é preciso praticar o exercício diário de planejar o orçamento. Por motivos óbvios, isso se torna muito mais necessário quando a empresa é nova e ainda está se firmando no mercado.

Portanto, mesmo que a oferta seja muito boa, desconfie sempre. Antes de efetuar quaisquer compras, fechar parcerias ou investimentos, pense no quanto de dinheiro a empresa tem disponível no momento e se aquele recurso realmente é indispensável para a produtividade do empreendimento.

3.2. Sócios confiáveis

Nunca é demais relembrar: trabalhe com pessoas em quem você possa confiar. Essa é uma dica de ouro não só para quem quer abrir uma startup e está em busca de um/a sóci@, mas, em qualquer outro empreendimento de sucesso. Não tenha pressa, essa escolha deve ser feita com muita calma, atenção e paciência.

Para facilitar o processo, procure por gente conhecida, que se formou com você, com quem trabalhou junto ou mesmo aquelas pessoas que são referências para o seu/sua antig@ chefe.

E se o assunto for sociedade, aí o cuidado deve ser redobrado. Afinal, @ sóci@ é tão don@ da empresa quanto você. Por isso, qualquer deslize pode ser fatal. Além de comprometerem o negócio, as falhas d@ seu/sua sóci@ levariam junto o seu nome para a lama. E nem precisa dizer que é desnecessário correr esse risco!

3.3. Funcionários registrados

Não é porque as startups tendem a trabalhar com propostas de contratos mais flexíveis que você pode abrir mão dos trâmites legais do Ministério do Trabalho. Portanto, contrate legalmente desde o início.

O custo pode até ser mais alto no começo, mas esse é o único jeito de não correr aquele temido risco do “barato que sai caro” no fim das contas. E isso fará toda a diferença quanto à sobrevivência da sua empresa no mercado, qualificando-a como uma startup credível e confiável.

3.4. Contratos assinados

“Amigos, amigos… negócios à parte.” Acredite: nada é mais verdadeiro do que esse ditado. Em se tratando de ambientes corporativos, a amizade, o coleguismo e a camaradagem devem ficar em segundo plano. Afinal, apenas um contrato bem-estabelecido resguarda você — e @ seu/sua própri@ amig@ — de eventuais discordâncias e divergências entre as partes envolvidas.

3.5. Atualização constante

O universo das startups é, ao mesmo tempo, tão novo e tão competitivo. Por isso, manter-se atualizad@ frente às demandas do mercado é indispensável para garantir a sobrevivência da sua empresa. Até porque a velocidade com a qual cada empreendedor/a consegue gerir (ou corrigir) o negócio é o que determina o quão longe o empreendimento poderá chegar.

E, falando em velocidade, é preciso estar ciente de que nas startups os processos estão cada vez mais dinâmicos e velozes, ditando o ritmo do trabalho. Daí a importância de se atualizar para saber lidar com as novas tecnologias, linguagens e processos que surgem (ou se alteram) a todo momento nesse contexto.

Sendo assim, reforçamos a importância de se investir em cursos de capacitação específicos — como Marketing, Administração, Recursos Humanos, Processos Gerenciais, entre outros do ramo — para desenvolver ou aperfeiçoar as habilidades técnicas necessárias para gerenciar sua empresa com cada vez mais segurança, qualidade e credibilidade no mercado.

4. Você tem o que é preciso para empreender?

Ao longo do post, já demos algumas pistas sobre o perfil ideal d@ bom/boa empreendedor/a. Formação profissional, networking em dia e planejamento adequado são algumas delas. A seguir, detalharemos um pouco mais esses quesitos para que você não deixe nenhuma habilidade passar despercebida. Assim, vai ser moleza abrir uma startup de sucesso!

4.1. Você tem metas?

Vimos que planejamento é a palavra de ordem para todo projeto bem-sucedido. E todo bom planejamento inclui metas palpáveis e preestabelecidas. Afinal, não adianta sonhar alto e não manter sequer um pezinho no chão, não é mesmo? Ou seja, busque os resultados com foco, mas não seja romântico.

Para que isso se torne possível, basta definir exatamente aonde você quer chegar e quais passos você precisa dar para atingir o topo. Se por acaso algum desses passos for “maior do que a perna”, é sinal de que você está sonhando alto demais ou, simplesmente, que ainda não subiu o degrau anterior.

Nessas horas, pare, sente e reflita. Dê um passo de cada vez, suba degrau por degrau e, certamente, chegará lá. O segredo é sempre pensar (e agir!) de forma pragmática, com clareza e determinação em todas as etapas.

4.2. Você é responsável?

Se você é responsável, dedicad@ e coloca boa vontade em tudo que faz, com certeza já tem meio caminho andado para ser um/a empreendedor/a de sucesso. Mesmo porque não basta definir a missão e a visão da sua empresa se, de fato, você não cumprir esses ideais, certo?

Por isso, seja sempre coerente consigo mesm@. Organize seu tempo, estabeleça as metas e cumpra os prazos. Se falhar em algum momento no percurso, não se culpe, apenas redefina estratégias. Se for preciso, comece de novo.

Assim, @s seus/suas colaborador@s logo aprenderão com você — e com a sua empresa — as melhores práticas corporativas para estabelecer uma startup credível, confiável e, principalmente, rentável.

4.3. Você é disciplinad@?

Não importa se você prefere trabalhar de manhã, na hora do almoço ou de madrugada. Conheça o seu relógio biológico e adapte sua rotina corporativa conforme as demandas do seu próprio corpo. E lembre-se: produtividade não é sinônimo de hora extra ou noites em claro.

Produtividade é sinônimo de disciplina. Por isso, se você se dispôs a fazer “x” tarefas por dia, faça-as. Se estiver ficando pesado, diminua o número de afazeres, mas nunca deixe de finalizá-los. E, se for necessário, recalcule o prazo, mas nunca comprometa a qualidade do serviço.

Mais cedo ou mais tarde, o seu corpo e, sobretudo, a sua mente se adaptarão naturalmente a essa rotina, de modo que atingir os melhores resultados será só uma questão de tempo e, às vezes, de um pouquinho de paciência.

4.4. Você pensa grande?

Quem planeja abrir uma startup deve pensar globalmente. Mesmo que esse modelo de empresa comece de forma embrionária, sempre haverá um grande projeto inovador por detrás da concepção das startups. Portanto, nada de se apegar àquele pensamento antigo de que internacionalização é algo que só vem após muitos anos de prática no mercado.

Pelo contrário, considerar áreas do mundo inteiro como setores potenciais para o seu negócio traz inspirações e atrai a atenção de possíveis parceir@s para o seu empreendimento. Por isso, ideias de apelo global são sempre uma ótima pedida para quem está planejando as melhores estratégias antes de dar o start na empresa.

4.5. Você tem um bom networking?

Já falamos sobre isso, mas não custa repetir. Afinal, estar bem-relacionad@ faz toda a diferença nesse contexto global, moderno e dinâmico das startups. Até porque quem um dia foi concorrente poderá virar parceir@ e vice-versa.

Além disso, com um plano de negócios bem-estabelecido e estratégias bem-aplicadas, um bom networking funcionaria como a cereja do bolo para impulsionar ainda mais o seu negócio, ampliando horizontes, angariando parcerias e até agências de fomento.

Para fortalecer ainda mais os laços com as pessoas do ramo, esteja sempre disponível para frequentar palestras, workshops, congressos e demais eventos corporativos especializados. E quanto às demais formas de manter-se conectado com gente do ramo, que tal se inscrever naquele novo curso da área? Ou alugar uma sala naquele escritório de coworking repleto de empresários influentes?

4.6. Você trabalha de forma interdisciplinar?

Interdisciplinaridade e empreendedorismo são termos indissociáveis um do outro. Considerando que empreender é basicamente a capacidade e a predisposição de um/a empresári@ para idealizar projetos que envolvam inovação e risco, é fundamental estar abert@ a todas as áreas do conhecimento para compreender as inúmeras relações possíveis entre o negócio e o público.

Inclusive, essa é uma maneira muito eficaz para lidar com as tais situações de risco. Por isso, qualquer que seja a área de atuação da sua startup — exatas, humanas, sociais, biológicas etc — saiba que, em vários momentos do percurso, poderá ser necessário contar com profissionais de vários setores simultaneamente, conforme a situação for se configurando.

Portanto, jamais subestime qualquer habilidade ou conhecimento específico só porque não é da sua área, ok?

4.7. Você é paciente?

Já vimos que abrir uma startup envolve riscos e desafios. Mas nem por isso você vai desistir no meio do caminho, certo? A paciência é a maior virtude que se pode ter nesses casos, pois no universo dos negócios nada acontece por acaso ou do dia para a noite. Portanto, não se iluda.

Para ter um empreendimento bem-sucedido, não há dúvidas de que você vai precisar de tudo o que citamos anteriormente no post. Mas, sem paciência, de nada adiantará. Por isso, controle a ansiedade, freie os impulsos, não deixe o estresse tomar conta e, sobretudo, mentalize a receita do sucesso: a tríade planejamento + capacitação + paciência.

Além disso, quando o assunto envolve capacitação, é essencial se certificar de que está buscando a melhor parceria. Caso contrário, o investimento se transformará em prejuízo e você colocará tudo a perder. Então fique ligad@! Antes de se inscrever em cursos superiores, tecnólogos, especializações etc, certifique-se sobre o histórico da instituição de ensino e veja se o estabelecimento trabalha de forma inovadora, interdisciplinar e humanizada.

Dessa maneira, com certeza você estará no caminho certo para abrir uma startup de sucesso, transformando-se n@ protagonista da sua própria carreira!

E aí? Ficou inspirad@? Então curta nossa página no Facebook e fique por dentro das melhores soluções em ensino e capacitação de qualidade!

 

Category:
  Empreendedorismo

Comente

Your email address will not be published.